Carregando, por favor aguarde
Cadastre-se e receba novidades
Assunto

Caminhoneiro

5 dicas importantes para fazer transporte de cargas perigosas

transporte de cargas perigosas

Não importa o quão experiente é o motorista: fazer o transporte de cargas perigosas é sempre um desafio. Especialmente nas estradas brasileiras, que nem sempre contam com as melhores condições para carregar esse tipo de produto.

De itens inflamáveis a substâncias radioativas, passando por produtos corrosivos, tóxicos, infectantes ou explosivos, as cargas perigosas demandam uma série de cuidados para serem transportadas, que vão da preparação do caminhão até o uso de embalagens corretas para cada caso. Em determinadas situações, até mesmo o uso de equipamentos de proteção individual (EPIs) é necessário.

Neste artigo, vamos trazer 5 dicas para quem quer saber como transportar cargas perigosas com o menor risco possível. O primeiro passo é entender o que a legislação brasileira exige. Siga em frente com a leitura para saber mais!

1. Conheça a legislação

A legislação brasileira considera como carga perigosa todo produto que possa ser tóxico à saúde humana ou ao meio ambiente. Para evitar danos à segurança pública, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) definiu, em 2011, que esse tipo de carga não pode ser transportada em locais de alta densidade populacional. Também devem ser evitados locais próximos a reservas ecológicas e reservatórios de água.

Além disso, o uso de equipamentos de proteção individual para os motoristas e demais responsáveis pelo manejo das cargas perigosas é regulamentado. Estacionar apenas em locais permitidos e portar toda a documentação e declarações necessárias são outras exigências que, por lei, devem ser obedecidas. Para mais detalhes, leia sobre a resolução 3.665 ANTT/2011.

2. Prepare o caminhão para o transporte de cargas periogosas

A preparação do caminhão para o transporte de cargas perigosas é mais um passo importante para evitar qualquer tipo de prejuízo. Como você sabe, existem variados tipos de caminhão, de carrocerias e reboques. Porém, nem todos os modelos são adequados para carregar cada espécie de produto tóxico ou potencialmente perigoso que existe.

Além da utilização do equipamento correto, o caminhão precisa estar devidamente revisado e com a manutenção em dia. Afinal, qualquer problema que venha a ocorrer durante o transporte aumenta o risco de uma consequência mais séria. A Certificação de Inspeção Veicular (CIV), portanto, deve estar em dia.

Alguns tipos de produtos tóxicos exigem, ainda, a adesivagem do caminhão. Esse tipo de aviso ajuda os motoristas que estiverem rodando próximos ao veículo que transporta a carga perigosa a dirigirem com cuidado redobrado.

3. Embale os produtos de maneira adequada

Além de usar o tipo de caminhão e de reboque mais adequado, outra exigência da legislação brasileira para o transporte de cargas perigosas é a forma como os produtos são acondicionados. Existem embalagens feitas especificamente para essa necessidade — inclusive, há invólucros próprios para cada tipo de carga.

Mas não basta usar a embalagem correta. Elas também precisam ser feitas de cores de fácil identificação e conter todas as informações a respeito da carga contida no recipiente. Afinal, o manuseio dos produtos também varia, assim como as condições de temperatura, luz e umidade com que cada item pode ser armazenado.

Guia completo para ter segurança das estradasPowered by Rock Convert

Disponibilizar o máximo possível de informações é fundamental para evitar que pessoas desavisadas cometam algum tipo de ação prejudicial, tanto a elas mesmas quanto ao meio ambiente e a terceiros.

4. Utilize todos os EPIs obrigatórios

Outra determinação da lei é o uso de equipamentos de proteção individual aos motoristas de caminhão que transportam cargas perigosas. De acordo com a resolução da ANTT, o uso de EPIs adequados ao tipo de produto é obrigatório tanto para o motorista quanto para o auxiliar que eventualmente o esteja acompanhando.

Porém, apenas o uso de EPIs não garante que o motorista esteja protegido. O treinamento é essencial para quem pretende fazer esse tipo de trabalho — incluindo a forma correta de realizar os procedimentos de carregamento, de descarregamento e o transporte propriamente dito.

O curso para Condutores de Veículos de Transportes Perigosos tem um total de 50 horas/aula e é exigido de qualquer motorista que pretenda atuar na área. No treinamento, são ensinados desde a parte teórica, que inclui a legislação específica para o transporte desse tipo de carga, até conceitos de direção defensiva, primeiros socorros, meio ambiente e convívio social e, finalmente, relacionamento interpessoal.

Para fazer o curso e trabalhar com o transporte de cargas perigosas é necessário ter, no mínimo, 21 anos de idade, não ter a carteira de habilitação cassada e nem mesmo ter cometido infrações graves ou gravíssimas nos 12 meses anteriores ao curso. Além disso, não ter antecedentes criminais é uma exigência para fazer a matrícula.

5. Seja cuidadoso na direção

Falando nisso, as aulas de direção defensiva são essenciais para destacar a importância de ser cuidadoso na direção. É claro que isso é uma exigência em qualquer situação, no entanto, quando se fala em transporte de cargas potencialmente tóxicas para a saúde humana e o meio ambiente, um acidente pode ter proporções ainda maiores do que uma colisão, atropelamento ou capotagem em que essas substâncias não estejam envolvidas.

Como quase tudo relacionado a esse tema, os cuidados extras necessários no transporte de cargas perigosas variam bastante. Um motorista que esteja transportando líquidos inflamáveis, por exemplo, precisa ter uma atenção especial a manobras bruscas, pois o material pode ser derramado. Já as cargas sólidas podem tolerar curvas um pouco mais fechadas e velocidades maiores, mas sem excessos.

Outra dica essencial: ao sentir sono, mal-estar ou qualquer outro sintoma que indique um aumento no risco de dirigir o caminhão, a recomendação é para que o veículo seja estacionado imediatamente. Essa é outra razão pela qual rodar por lugares em que há maior proteção ao meio ambiente não é indicado.

Neste artigo, trouxemos 5 dicas que não podem deixar de ser seguidas no transporte de cargas perigosas. Afinal, mais do que um risco para quem trabalha na área, qualquer acidente com materiais inflamáveis, corrosivos ou tóxicos pode trazer prejuízos irremediáveis à saúde da população e ao meio ambiente. Esteja sempre atento para evitar que qualquer situação desse tipo ocorra durante o trajeto.

Para continuar acompanhando artigos como este e outros conteúdos de interesse dos caminhoneiros, siga nossas redes sociais! Estamos no FacebookTwitterInstagramYouTube e LinkedIn.

E-book: Caminhoneiro - saiba o passo a passo para se tornar um microempreendedor individualPowered by Rock Convert