Carregando, por favor aguarde
Cadastre-se e receba novidades
Assunto

Piscicultura

Criação de caranguejo: descubra as melhores formas de fazê-la!

Criação de caranguejo

*imagem meramente ilustrativa.

Se você é um piscicultor com vontade de expandir seus negócios para a aquicultura e crescer nesse ramo, tem bons motivos para ficar ligado neste post. Falaremos sobre a criação de caranguejo, um dos frutos do mar mais apreciados no Brasil. Essa é uma ótima oportunidade de ingressar em um segmento muito valorizado em nosso país.

Esses crustáceos surgiram no planeta há cerca de 180 milhões de anos e têm características muito peculiares. São protegidos completamente por uma carapaça, apresentam dez patas com unhas bem pontudas e duas pinças fortíssimas que saem do primeiro par de garras. São muito queridos por seu valor gastronômico, o que rende uma boa lucratividade para aqueles que mantém criadouros.

Para que você não fique em dúvida sobre como criá-los, faremos um raio-X do caranguejo e explicaremos como você pode transformá-los em um grande chamariz para o seu empreendimento. Confira!

Qual é o melhor caranguejo para criação?

Para chegar a um resultado plenamente satisfatório na criação de caranguejo, você deverá, primeiramente, saber qual é o tipo que será o melhor para o seu negócio. Porém, para isso, não é preciso pesquisar sobre as sete mil espécies presentes no mundo todo!

Existem caranguejos que são muito semelhantes entre si quando falamos sobre alimentação, habitat e condições de reprodução. Isso ocorre principalmente com aqueles de água doce ou salgada.

No ambiente marinho, eles se abrigam no meio dos sedimentos ou em cavidades que ficam em profundezas rochosas. Podem ser herbívoros, que se alimentam de algas ou folhas, como o caranguejo uçá ou o guaiamum, e também há as espécies carnívoras, que adotam estratégias de caça para pegar presas, como pequenos invertebrados e outros peixes.

Esses dois tipos são os mais comuns, mas ainda há outros:

  • carniceiros, que catam restos de comida;
  • onívoros, que comem carnes e vegetais;
  • detritívoros, que preferem as partículas de alimentos que caem em cima dos sedimentos do solo subaquático.

Os caranguejos, em sua maioria, são sexuados, e a época para a reprodução é entre setembro e abril. Os machos entram em disputa pela fêmea sedutora em um processo natural chamado de “corte”, antes de acasalarem. Cada fêmea produz cerca de 300 mil a 700 mil ovos!

Uma dica é começar com uma espécie que se adapte com facilidade à grande maioria dos ambientes. Você pode começar com o Sesarma Rectum, por exemplo, que faz parte do grupo dos Aratus, da família dos Sesarminídeos.

Esse tipo de caranguejo vem de uma linhagem consideravelmente grande, com 125 ramificações espalhadas por diversos lugares que apresentam condições climáticas e hídricas muito distintas. São animais de adaptação razoavelmente fácil, que podem ficar em água com baixa ou média salinidade, e que se alimentam de proteína animal ou de vegetais.

Como preparar um tanque de caranguejo?

Criar essa espécie invertebrada pode ser desafiador, já que existem milhares de caranguejos totalmente opostos em termos de alimentação e habitat. O tipo que você escolher é que vai ditar as condições exatas para a preparação de um tanque apropriado. Porém, existe uma configuração básica que serve para a maioria das espécies.

Primeiramente, escolha um tanque que possa simular as condições ambientais em que um caranguejo vive. Forre a base com materiais como cascalho, areia ou outro substrato adequado à espécie escolhida para criação. Coloque cerca de 10 cm do produto no fundo do tanque para os tipos que gostam de escavar.

O ideal é ter um lado cheio de água e outro completamente seco, com algumas rochas ou areia. Assim, qualquer um se adaptará ao local.

No caso dos Aratus, a água deve ter uma salinidade de cerca de 9% para os adultos. Os ovos não resistem a baixas concentrações de sal, portanto, é necessário observar bem a hora certa de acrescentar água salgada até atingir uma salinidade de 25%.

Para essa espécie, não é necessário nenhum tipo de filtragem. Deve-se usar apenas uma bomba de ar e uma pedra porosa. Porém, outras espécies podem exigir uso de filtro — o recomendado é adquirir um secundário, de baixo custo, se for o caso.

A maioria vive em temperaturas tropicais, que podem variar entre 24 e 28 graus centígrados. Um aquecedor é uma boa pedida para manter a água nessa faixa de calor.

Não se esqueça de dar a comida certa para a espécie que você escolher. Os Aratus são onívoros, portanto, comem quase tudo que é vegetal ou animal aquático. Inclusive, são canibais e podem comer uns ao outros se não forem devidamente alimentados.

Quais são as vantagens da criação de caranguejo?

Os caranguejos são animais que se reproduzem rapidamente, apesar de ser necessário muitos cuidados durante essa fase, como a questão da salinidade da água.

Uma fêmea pode colocar até 700 mil ovos ao mesmo tempo. É claro que nem todos eclodem e viram adultos fortes e bonitos, mas, se a criação for bem-sucedida, com a limpeza adequada e ambientação perfeita, pode-se chegar até a 10% de sucesso de eclosão e mais de 1% no processo de desenvolvimento do caranguejo em fase juvenil.

Além disso, a venda de caranguejos para restaurantes é uma atividade que está em alta constante por conta da elevada procura por esse alimento extremamente rico em proteína, cálcio, fósforo e zinco.

Na China, os caranguejos são vendidos vivos em máquinas automáticas — como as de refrigerante — desde 2012. Do Alaska, nos Estados Unidos, vem o King Crab (Rei Caranguejo), que é comercializado em pontos da alta gastronomia em nosso país por até R$200 o quilo. Restaurantes mais modestos na praia do Guarujá chegam a vender um prato com seis unidades por até R$100,00.

Os números falam por si na hora de ver se vale a pena investir nesse ramo. Portanto, preste bastante atenção às particularidades de uma criação de caranguejo, antes de embarcar nesse segmento da aquicultura. Os detalhes são muitos e fazem toda a diferença para que a sua empreitada dê certo!

Se você gostou dessas dicas, diga para a gente o que pensa sobre o assunto, deixando um comentário aqui no post!