Carregando, por favor aguarde
Cadastre-se e receba novidades
Assunto

Peixes

Entenda como funciona a criação de peixes conjugada com hidroponia

criação de peixes conjugada com hidroponia

1. Introdução

cultivo de peixes é um negócio interessante e que pode ser muito rentável se conduzido da maneira adequada. O mesmo pode ser dito das plantações, especialmente se feitas por meio da técnica de criação de peixes conjugada com hidroponia, ou seja, que não utiliza o solo diretamente.

O mais interessante é que esses dois segmentos podem ser integrados, de forma em que um depende diretamente do outro. É gerado um sistema de dependência, mas que também traz economia e maior sustentabilidade.

Este post vai mostrar como funciona a plantação em hidroponia e como ela pode ser desenvolvida de forma conjugada com uma criação de peixes, dando origem a aquaponia. Saiba como essa integração pode gerar um negócio rentável e prático!

2. O que é hidroponia?

A hidroponia é uma forma diferente de criação de plantas, em um modelo mais sustentável e que se adapta com maior facilidade em diferentes ambientes. Não há a utilização do solo, o que marca a principal distinção para a agricultura tradicional.

Nesse sistema, as plantas ficam suspensas em estruturas variadas, que precisam ter um espaço mínimo embaixo delas. É nessa área que a água é oferecida junto com os nutrientes necessários para o desenvolvimento dos vegetais, formando uma solução.

2.1. A nutrição das plantas

É fundamental que a planta receba a dosagem correta dessa mistura, já que ela garante o crescimento fortalecido e saudável. Esse é o fator que faz toda a diferença nesse tipo de cultura, já que ela depende do suprimento correto e adequado.

Cada tipo de plantação demanda de uma solução específica, com o mix de nutrientes ideais para seu desenvolvimento. Esses compostos consideram fatores como o tipo de planta, o estágio de crescimento, o clima da região e a luz disponível sobre o cultivo.

Nessa demanda do trabalho é fundamental que o agricultor de hidroponia tenha conhecimentos técnicos. Somente assim vai ser possível desenvolver um cultivo de qualidade, com produtos que atinjam um nível diferenciado.

2.2. As diferentes estruturas

Diferentes estruturas podem ser usadas para um cultivo de hidroponia. O primeiro ponto a ser analisado é o espaço disponível. Para agricultores com área ampla, é possível fazer sistemas automatizados com bombas que levam as soluções às plantas.

Um dos sistemas mais conhecidos é o Nutrient Film Technique (NFT). Nele, as plantas ficam suspensas em canos que recebem a água com os nutrientes. Essa solução chega por meio da ação de uma bomba de circulação. Ela gera o fluxo a partir de um tanque que fica posicionado onde for mais cômodo para o agricultor.

Há também os sistemas estáticos, ou seja, em que não há a circulação e bombeio da solução de nutrientes. Um deles é um sistema simples, que promove a irrigação das plantas por meio de um pavio. Ele liga a mistura de água e sais ao cultivo.

Deep Flow Technique (DFT) é a principal estrutura estática utilizada. Ela funciona como uma espécie de isopor em que as plantas flutuam sobre um reservatório. Nele fica a solução nutritiva necessária para o desenvolvimento da plantação. As raízes ficam submersas e conseguem absorver todo o líquido.

3. Quais são as vantagens da hidroponia?

A hidroponia é um sistema interessante e que tem uma série de vantagens. Mais econômico e com um resultado mais qualificado, são inúmeras as razões que justificam esse cultivo como uma excelente alternativa. Veja a seguir o que a hidroponia traz como destaque ao agricultor e à sociedade consumidora.

3.1. Economia

Esse é um fator principal e que beneficia diretamente quem faz o cultivo. A economia vem de diversas formas, já que a hidroponia dispensa alguns custos operacionais básicos que qualquer outro cultivo demanda. Por si só isso já influencia no preço e na procura no mercado.

A mão de obra é reduzida, ou seja, há poucas pessoas envolvidas no processo. As despesas com água também reduzem consideravelmente, já que há um sistema de reaproveitamento. O consumo é feito com extremo controle, seja no sistema estático, seja no bombeamento. Não há também despesas com agrotóxicos.

3.2. Maior qualidade de plantio

Por não ter contato com o solo, as plantas estão livre de insetos e algumas pragas. A nutrição no cultivo é totalmente controlada, realizada nos níveis adequados, favorecendo o desenvolvimento dos vegetais da maneira certa.

Esse cuidado mais dedicado resulta em um aumento considerável da qualidade. Diversos fatores são controlados, como a sazonalidade e o próprio clima, o que ajuda que a qualidade do cultivo seja preservada. O resultado são produtos maiores, mais bonitos e muito mais saborosos chegando ao consumidor.

Também não há o uso de agrotóxicos, o que faz toda diferença no sabor e no valor nutritivo das plantas. Há cada vez uma procura maior por esse tipo de plantio, o que favorece o agricultor.

3.3. Sustentabilidade

A hidroponia também é um sistema que não desperdiça água. Nos sistemas estáticos, a solução com nutrientes é utilizada durante o tempo necessário, sendo trocada no momento certo. Na estrutura automática, o bombeamento considera apenas o fluxo necessário para levar o nutriente ao cultivo.

As dosagens certas são possibilitadas por conta do escoamento correto, de um sistema que evita o desperdício e pelo contínuo controle dedicado de todo o cultivo. Os nutrientes são oferecidos também na quantidade necessária, o que favorece o uso da água com responsabilidade.

3.4. Ampla possibilidade de alocação

A hidroponia pode ser desenvolvida em qualquer lugar. Muitas estruturas podem ser verticalizadas, o que favorece o aproveitamento de diversos espaços. A independência do solo é o principal fator que influencia nessa maior mobilidade dos cultivos. O produtor precisa considerar apenas fatores climáticos e de logística.

Essa flexibilidade influencia a distância do cultivo para o consumidor. Não é necessário que as plantações fiquem em regiões remotas, normalmente as mais comuns em modelos tradicionais. Assim, há uma redução de custos logísticos também a preservação dos produtos mais frescos.

3.5. Ciclos mais curtos

A dedicação mais próxima e regulada possibilita que as plantas estejam totalmente desenvolvidas em menor tempo do que o normal. A colheita acontece mais rapidamente, já que os nutrientes com a dosagem correta favorecem o crescimento do plantio.

Como resultado, cerca de 2 a 3 safras a mais podem ser colhidas anualmente em comparação aos modelos comuns de plantio. As plantas não competem pelo nutriente, os recebendo de maneira frequente e nos níveis certos, o que resulta em desenvolvimento mais ágil e qualificado.

4. Como funciona a criação de peixes conjugada com hidroponia?

A hidroponia abre espaço também para outros tipos de negócios, uma vez que ela pode ser desenvolvida conjugada com uma criação de peixes. Nesse caso, o sistema tem um nome específico: aquaponia.

Totalmente sustentável, esse sistema possibilita duas formas de negócios distintas, porém, utilizando os mesmos recursos. O espaço também é reduzido, assim como na hidroponia. Peixes e plantas ficam em locais distintos, mas também não demandam uma área tão ampla assim.

4.1. A estrutura de um sistema de aquaponia

O agricultor que deseja iniciar esse novo negócio precisa, primeiramente, montar a estrutura adequada. Se ele já tem uma hidroponia, o pontapé inicial já foi dado. A próxima providência é pensar no local onde os peixes ficarão abrigados.

É necessário disponibilizar um tanque, que não precisa ser uma estrutura cara. Uma caixa d’água reutilizada pode servir. Há produtores que optam até mesmo por uma caixa de pallets de madeira revestida por lona impermeável.

O posicionamento pode acontecer de duas formas: uma estrutura paralela a outra ou a hidroponia sobre o tanque onde os peixes estão. Desde que estejam próximos um dos outros, os dois locais conseguirão integrar-se adequadamente.

4.2. Os equipamentos utilizados

Há alguns equipamentos básicos que vão além das estruturas de montagem e alocação das plantas e dos peixes. A integração de água é o ponto central e que motiva a aquaponia, e, para que ela funcione, é necessário que haja uma infraestrutura básica.

O primeiro equipamento necessário são os filtros. Eles precisam fazer o trabalho de purificação da água que sai do tanque dos peixes e chegar até as plantas. Nesse processo, é preciso que a água tenha fluxo suficiente para chegar até a outra estrutura, o que demanda o uso de uma bomba.

4.3. A integração no uso da água

Há um fluxo de circulação fundamental e que torna essa atividade realmente produtiva. A rotatividade da água é intensa, mas ela parte primeiramente do tanque dos peixes. Os animais, em sua atividade normal, liberam seus dejetos nesse tanque, que frequentemente manda toda essa água para o filtro.

Esses elementos orgânicos são direcionados para as plantas, já que servem como um adubo natural necessário para o cultivo. Assim, sem o uso de nenhuma mistura artificial, a tendência é do crescimento potencializado.

A mesma água utilizada nas plantas retorna aos peixes. Para isso, é necessária uma nova filtragem, entretanto, sem um sistema paralelo. São utilizadas pedras de argila expandida, que se encarregam de realizar essa qualificação da água, que escoa diretamente para o tanque dos peixes.

O sistema amplamente sustentável é o grande destaque nesse modelo de negócio. Basicamente, tudo pode ser reaproveitado, e ainda com nutrientes que tornam a atividade mais qualificada.

4.4. Os cuidados necessários

As estruturas precisam de cuidados básicos para funcionarem adequadamente. A checagem diária dos sistemas de bombeamento e filtragem são fundamentais. Qualquer tipo de falha pode ser prejudicial à vida dos peixes, especialmente se não houver a filtragem adequada.

As plantas também precisam da irrigação constante, contando com os nutrientes adequados. O diferencial desse cultivo é justamente o fortalecimento contínuo e dedicado, então, se ele deixa de acontecer em algum momento, o desenvolvimento dos vegetais será prejudicado.

Uma boa prática é desenvolver uma checklist para guiar a rotina diária de checagem do funcionamento da aquaponia. Assim, nenhum item é esquecido e o produtor consegue a garantia de que todo seu trabalho segue o padrão de qualidade necessário.

4.5. Os peixes criados nesse sistema

Basicamente, qualquer espécie que se adapte ao clima da região e as condições aquáticas podem ser criados sem maiores restrições. Entretanto, esse tipo de estrutura recebe muito bem as tilápias, amplamente utilizadas na aquaponia.

Elas vivem muito bem em estruturas menores e se desenvolvem com qualidade quando cuidadas com uma dedicação exclusiva. Outro ponto de destaque é o mercado consumidor. A tilápia é um peixe com alta demanda de consumo, o que representa ótimas oportunidades de negócio.

A criação na aquaponia permite que as espécies tenham um crescimento natural e eficiente, o que interfere diretamente na qualidade do peixe como alimento. Cada tilápia pode chegar até 30kg, peso ideal para a comercialização.

4.6. A proporção entre peixes e plantas

Uma boa aquaponia funciona com o equilíbrio entre as duas estruturas. É preciso que peixes e plantas estejam em proporções adequadas, assim os dois sistemas funcionam bem, de maneira produtiva.

Cada quilograma em peixes oferece adubo e nutrientes para 25 plantas diferentes. Em outra proporção, isso representa 1 metro quadrado da área em que os vegetais estão alocados.

4.7. O investimento

Como todo negócio, a aquaponia representa investimentos para a montagem das estruturas. Entretanto, eles podem variar de acordo com o tamanho pretendido. Para fins comerciais, é natural que se necessite de tanques maiores, bombas mais potentes e filtros mais capacitados.

A aquaponia também pode ser direcionada somente para uma família, por exemplo. De lá ela pode tirar parte importante da alimentação por meio dos vegetais e dos peixes. Nesse caso, estruturas recicláveis e reaproveitadas podem ser utilizadas, em um custo que não ultrapassa os R$ 1.000.

A infraestrutura conta com itens diversos para alocação, controle e qualificação do sistema. Entre os principais estão:

  • tanques ou pallets;
  • lonas impermeáveis;
  • filtros;
  • bombas;
  • peagâmetro (medidor de pH da água);
  • pedras de argila;
  • terra;
  • tubulação em PVC;
  • ração para os peixes.

5. Conclusão

A criação conjugada é uma excelente alternativa ao produtor, ou até mesmo a quem quer montar um sistema doméstico e colher os frutos para a família. O investimento varia e atende a todas as condições econômicas, o que democratiza o negócio.

A sustentabilidade é a chave da aquaponia. A economia de água, a menor agressão à natureza e o reaproveitamento reduzem o desperdício e criam um sistema autossuficiente. O melhor é que toda essa economia gera também qualidade aos vegetais e aos peixes.

Montar uma aquaponia é uma alternativa muito possível, principalmente agora que você conheceu mais detalhes sobre esses sistemas!

 

4 comments
    1. Loja Sansuy Blog

      Oi Maristela, como vai? Que ótimo que gostou, ficamos felizes em saber! Não deixe de acompanhar nossas novidades! Abçs!

    1. Loja Sansuy Blog

      Olá Roberto, como vai? Obrigado pelo seu feedback, ficamos felizes em saber que gostou! Continue acompanhando e saiba das novidades! Abçs!

Comments are closed.